terça-feira, 9 de agosto de 2016

Desrespeitosa ou torcida de verdade? ‘Olimpíada das vaias’ repercute na mídia e redes sociais

Rio 2016: Torcida brasileira durante jogo de handebol masculino entre Brasil e Polônia; comportamento de torcedores tem sido alvo de críticas na imprensa e em redes sociais no exterior© Fornecido por BBC Torcida brasileira durante jogo de handebol masculino entre Brasil e Polônia; comportamento de torcedores tem sido alvo de críticas na imprensa e em redes sociais no exterior
Se no começo da Copa do Mundo de 2014 o assunto foi a performance tímida da torcida brasileira, o comportamento do público de casa ganhou destaque no primeiro final de semana da Olimpíada do Rio pelo motivo oposto.
Imprensa internacional e publicações nas redes sociais destacaram momentos nos primeiros dias de competição em que os fãs locais "estão tratando esportes olímpicos como se estivessem em um Flamengo x Fluminense", como descreveu um texto da agência de notícias Reuters.
Seja na prática comum no Brasil de incentivar azarões, no grito já consagrado de "ôôô Zika" para Hope Solo, goleira da seleção feminina de futebol dos EUA, ou nas vaias contra rivais brasileiras no vôlei de praia, a torcida entrou com tudo no debate.
"Fãs estridentes brasileiros se fazem de surdos para o espírito olímpico", foi o título do texto da Reuters, assinado por dois repórteres no Rio de Janeiro e distribuído para todo o mundo.
"No boxe, judô, esgrima ou até no tênis, os torcedores brasileiros estão tratando muitos esportes olímpicos como se estivessem em um Flamengo x Fluminense, uma rivalidade do Rio onde paixões, além de cusparadas e eventualmente socos, costumam voar alto", escrevem os repórteres.
O texto associa o comportamento nas arenas à cultura esportiva do Brasil - "em grande parte definida pelo sucesso do país no futebol no passado e dominada por uma atitude muitas vezes ultranacionalista contra quem não veste o amarelo local" - e também pelo perfil socioeconômico do público pagante.
Rio 2016: 'Eu jogo há dez anos e nunca vivi isso', disse a tcheca Marketa Slukova.© Fornecido por BBC 'Eu jogo há dez anos e nunca vivi isso', disse a tcheca Marketa Slukova.
"Em um evento como as Olimpíadas, onde os pagantes vêm principalmente de uma classe média alta e rica acostumada a ser mimada, as 'batidas no peito' (dos torcedores) podem ser bem chocantes, até para muitos fãs locais", completa.
Para Matt Gatward, correspondente do jornal britânico The Independent, a torcida exagerou ao vaiar o tenista alemão Dustin Brown, que teve que abandonar a partida contra o brasileiro Thomas Belucci após torcer um tornozelo.
"Os fãs brasileiros nesses Jogos do Rio são uma turma bem patriótica, apenas felizes demais por apoiarem seus atletas. Não há mal nisso. Essa é a vantagem de competir em casa. Mas isso quase foi um pouco além no domingo, quando o público na quadra central de tênis vaiou o alemão Dustin Brown, que tinha caído e torcido um tornozelo, o que acabou o levando ao hospital", escreveu.
Em um texto sobre o comportamento da torcida brasileira durante a competição de vôlei de praia, a revista americana Time questionou: "Será que os locais estão levando seu amor pelo esporte muito longe?".
A publicação citou o jogo de estreia das brasileiras Agatha e Bárbara, atuais campeãs mundiais. Após a derrota, as tchecas Hermannova e Slukova reclamaram das vaias que vinham das arquibancadas, a despeito dos pedidos do narrador oficial por moderação.
Rio 2016: Usuários do Twitter criticaram o comportamento da torcida brasileira.© Fornecido por BBC Usuários do Twitter criticaram o comportamento da torcida brasileira.
"Eu jogo há dez anos e nunca vivi isso. É um tipo de patriotismo. Eu acho que não é nada pessoal contra nós, eles só não sabem o limite entre o que é apropriado para o momento e o que não é mais. Nós também somos seres humanos", disse Slukova.
"Isso não é jeito de tratar rivais. Mas não se pode criar regras sobre vaias - é sempre parte do jogo no esporte. Até nas Olimpíadas", conclui o texto da revista americana.
A torcida brasileira também foi tema nos dois jogos da seleção americana de futebol feminino. Por ter publicado imagens e textos sobre sua preocupação com o vírus Zika antes da Olimpíada, a goleira Hope Solo se tornou alvo de gritos de "ôôô Zika" em cada participação nas partidas.
No Twitter, fãs americanos criticaram a zombaria. "Caro Brasil, se você quer ser levado a sério, vaiar e gritar 'zika' toda vez que Hope Solo pega na bola não está ajudando", escreveu a usuária Seanchai.
Hope Solo: Veterana do futebol feminino, a americana Hope Solo se tornou alvo de 'bullying' da torcida brasileira após publicações sobre medo de contrair o vírus Zika no Brasil© Fornecido por BBC Veterana do futebol feminino, a americana Hope Solo se tornou alvo de 'bullying' da torcida brasileira após publicações sobre medo de contrair o vírus Zika no Brasil
Nathan Fenno, repórter do jornal americano Los Angeles Times, descreveu como um "som estranho" invadiu a arena da natação quando a russa Yulia Efimova, envolvida em um escândalo de doping, participou das eliminatórias dos 100 metros peito. "Vaias saudaram" a atleta, escreveu.
"É irônico o público do Rio vaiar Efimova enquanto vibra ao máximo com seu nadador (João) Gomes (Júnior), que tomou suspensão de seis meses por doping", criticou, também pelo Twitter, o usuário Seán Donnelly.

Nenhum comentário:

Postar um comentário