quarta-feira, 13 de julho de 2016

Marido de Bianca Toledo se defende de acusações


<p>Felipe Heiderich usou as redes sociais, nesta quarta-feira (13), para se defender das acusações de abuso sexual de seu enteado, de 5 anos de idade. Após deixar a prisão por decisão da Justiça, o ex-marido de Bianca Toledo deu sua versão sobre a polêmica.</p><p><b>VOCÊ VIU?</b> <a href="http://famosidades.com.br/famosos/acusado-de-pedofilia-pastor-deixa-presidio-no-rio.html">Acusado de pedofilia, pastor deixa presídio no Rio</a></p><p>"[...] Sempre achei que todo mundo era inocente até que se provasse o contrário, mas o que vivi nesses últimos dias e semanas é que todos são culpados até que se prove o contrário. Assim como vocês, fiquei em choque com tudo o que foi dito a meu respeito e todas as acusações", iniciou.</p><p>De cabeça raspada e com a barba por fazer, o pastor contou como foi parar atrás das grades.</p><p>"Até dia 12 [de junho], eu estava em família, feliz, ministrando na igreja com a criança que mais amei nessa vida, que ajudei a criar com minha esposa [Bianca]. E no dia 14 sou comunicado por ela de que ela havia descoberto que sou homossexual e pedófilo. Ela pegou, saiu de casa com meu filho e ali começaram os piores dias da minha vida”, afirmou.</p><p>Com a voz embargada, o religioso disse que foi fraco e não soube lidar com a situação. "Eu não sei quem, em sã consciência, saberia lidar com o choque de saber que a criança que ama estava sendo abusada por alguém. Segundo, essa pessoa ser você. Eu chorei muito nesse dia, eu li a Bíblia... Eu peguei dois vidros de Rivotril [calmante], um estava completamente vazio e outro pela metade, virei esse que estava pela metade e deixei o outro. Não porque eu queria me matar, mas eu queria dormir, achar que aquilo era algo da minha mente, um equívoco qualquer [...] Só que os funcionários de casa chegaram, me viram sonolento, viram os frascos do remédio, eles entenderam que eu tinha tentado suicídio, me levaram para a UPA [Unidade de Pronto Atendimento] na Barra da Tijuca."</p><p>Heiderich disse ainda que foi hostilizado nas ruas depois que a notícia se espalhou pelos meios de comunicação.</p><p>“Eu fui acusado, julgado, maltratado, linchado, e ninguém sequer me deu o benefício da dúvida. É por isso que quero pedir perdão à igreja de Deus. Talvez muitos na fé que me acompanham tenham sido enfraquecidos, mas me entendam, desculpe, essa nunca foi a intenção [...] É um misto de dor, porque é um momento de fragilidade, de confusão, mas ainda é um momento que eu preciso ser forte para perdoar.”</p><p>Felipe contou ainda como foram os dias que passou internado em uma clínica psiquiátrica antes de ser levado para o presídio, em Bangu.</p><p>“[...] Foram oito dias de terror, sem atendimento, sem explicação. Até que minha mãe descobriu onde eu estava e resolveu me resgatar. A minha esposa levou um advogado na clínica e me ameaçou pedindo a anulação do casamento. Um divórcio consensual abrindo mão de tudo. Sabe o que eu disse? Eu disse que não iria assinar e o advogado falou: ‘Você só tem a perder com isso’. E eu: ‘Não, eu sou só tenho a ganhar. É o tempo que eu tenho de orar a Deus e mostrar para ela que isso tudo é uma loucura'. Porque eu não consigo acreditar em tudo isso. Não faz sentido. Só quem caminhou comigo sabe quanto amor eu dediquei, só quem viu os nossos vídeos sabe como eu olhava, só quem convivia sabia como eu admirava. Pois eu descobri que não era assim”, relatou.</p><p>O pastor disse também que disponibilizou seus computadores e senhas para investigação da polícia antes de ser preso.</p><p>"[...] Meu rosto rodou o mundo como pedófilo. Fui acusado, julgado, sentenciado. Gritavam meu nome na rua: ‘Morre!’ Sofri as penalidades na prisão", lamentou.</p><p>Por fim, Felipe agradeceu o apoio que recebeu de seus amigos pastores e dos familiares. </p><p>“Deus abençoe sua vida e o meu advogado vai dar alguns pronunciamentos em meu nome. Obrigada pelos pastores do Brasil, pelos líderes que mandaram mensagens dizendo que estavam orando por mim. Obrigada pela minha família. Minha família nunca foi exemplo de unidade, mas pela primeira vez estou vendo a família unida orando por mim”, completou.</p><p><a href="https://www.youtube.com/watch?v=ZrPwqwnZSaQ">Assista aqui ao relato do pastor</a></p><p><b>Entenda o caso</b></p><p>Bianca Toledo causou comoção nas redes sociais após compartilhar um vídeo de desabafo, no dia 6 de julho. A pastora anunciou que seu então marido, Felipe Heiderich, era homossexual e estava "acautelado por crime de pedofilia". </p><p>No Facebook, a loira detalhou que o Ministério Público pediu a prisão do companheiro "mediante uma série de provas contundentes".</p><p>A Polícia Civil da capital fluminense destacou que a ex-caloura do Raul Gil procurou a delegacia em 22 de junho. Na ocasião, denunciou o companheiro por abusar de seu filho de 5 anos de idade. Avaliações psicológicas e psiquiátricas feitas com o menino constataram que os abusos ocorriam durante o banho da criança.</p><p><b>História comovente</b></p><p>A cantora ficou conhecida por meio do programa de Raul Gil e, pouco tempo depois, se casou e teve um filho. No entanto, antes de dar à luz, teve o intestino rompido e foi hospitalizada com um estado gravíssimo de saúde. Ao todo, foram dez cirurgias, inúmeras transfusões de sangue e duas paradas cardíacas.</p><p>Após 52 dias em coma e um quadro de edema generalizado, cinco meses em um hospital sem andar ou falar, a líder religiosa se recuperou, mesmo que lentamente. Depois disso, sua "volta" é considerada por muitos uma ressurreição.</p><p>Durante seu tratamento, foi abandonada pelo marido. Contudo, tempos depois, conheceu Felipe e os dois se casaram em uma cerimônia que atraiu muita atenção. </p>

Felipe Heiderich usou as redes sociais, nesta quarta-feira (13), para se defender das acusações de abuso sexual de seu enteado, de 5 anos de idade. Após deixar a prisão por decisão da Justiça, o ex-marido de Bianca Toledo deu sua versão sobre a polêmica.
"[...] Sempre achei que todo mundo era inocente até que se provasse o contrário, mas o que vivi nesses últimos dias e semanas é que todos são culpados até que se prove o contrário. Assim como vocês, fiquei em choque com tudo o que foi dito a meu respeito e todas as acusações", iniciou.
De cabeça raspada e com a barba por fazer, o pastor contou como foi parar atrás das grades.
"Até dia 12 [de junho], eu estava em família, feliz, ministrando na igreja com a criança que mais amei nessa vida, que ajudei a criar com minha esposa [Bianca]. E no dia 14 sou comunicado por ela de que ela havia descoberto que sou homossexual e pedófilo. Ela pegou, saiu de casa com meu filho e ali começaram os piores dias da minha vida”, afirmou.
Com a voz embargada, o religioso disse que foi fraco e não soube lidar com a situação. "Eu não sei quem, em sã consciência, saberia lidar com o choque de saber que a criança que ama estava sendo abusada por alguém. Segundo, essa pessoa ser você. Eu chorei muito nesse dia, eu li a Bíblia... Eu peguei dois vidros de Rivotril [calmante], um estava completamente vazio e outro pela metade, virei esse que estava pela metade e deixei o outro. Não porque eu queria me matar, mas eu queria dormir, achar que aquilo era algo da minha mente, um equívoco qualquer [...] Só que os funcionários de casa chegaram, me viram sonolento, viram os frascos do remédio, eles entenderam que eu tinha tentado suicídio, me levaram para a UPA [Unidade de Pronto Atendimento] na Barra da Tijuca."
Heiderich disse ainda que foi hostilizado nas ruas depois que a notícia se espalhou pelos meios de comunicação.
“Eu fui acusado, julgado, maltratado, linchado, e ninguém sequer me deu o benefício da dúvida. É por isso que quero pedir perdão à igreja de Deus. Talvez muitos na fé que me acompanham tenham sido enfraquecidos, mas me entendam, desculpe, essa nunca foi a intenção [...] É um misto de dor, porque é um momento de fragilidade, de confusão, mas ainda é um momento que eu preciso ser forte para perdoar.”
Felipe contou ainda como foram os dias que passou internado em uma clínica psiquiátrica antes de ser levado para o presídio, em Bangu.
“[...] Foram oito dias de terror, sem atendimento, sem explicação. Até que minha mãe descobriu onde eu estava e resolveu me resgatar. A minha esposa levou um advogado na clínica e me ameaçou pedindo a anulação do casamento. Um divórcio consensual abrindo mão de tudo. Sabe o que eu disse? Eu disse que não iria assinar e o advogado falou: ‘Você só tem a perder com isso’. E eu: ‘Não, eu sou só tenho a ganhar. É o tempo que eu tenho de orar a Deus e mostrar para ela que isso tudo é uma loucura'. Porque eu não consigo acreditar em tudo isso. Não faz sentido. Só quem caminhou comigo sabe quanto amor eu dediquei, só quem viu os nossos vídeos sabe como eu olhava, só quem convivia sabia como eu admirava. Pois eu descobri que não era assim”, relatou.
O pastor disse também que disponibilizou seus computadores e senhas para investigação da polícia antes de ser preso.
"[...] Meu rosto rodou o mundo como pedófilo. Fui acusado, julgado, sentenciado. Gritavam meu nome na rua: ‘Morre!’ Sofri as penalidades na prisão", lamentou.
Por fim, Felipe agradeceu o apoio que recebeu de seus amigos pastores e dos familiares.
“Deus abençoe sua vida e o meu advogado vai dar alguns pronunciamentos em meu nome. Obrigada pelos pastores do Brasil, pelos líderes que mandaram mensagens dizendo que estavam orando por mim. Obrigada pela minha família. Minha família nunca foi exemplo de unidade, mas pela primeira vez estou vendo a família unida orando por mim”, completou.

Entenda o caso
Bianca Toledo causou comoção nas redes sociais após compartilhar um vídeo de desabafo, no dia 6 de julho. A pastora anunciou que seu então marido, Felipe Heiderich, era homossexual e estava "acautelado por crime de pedofilia".
No Facebook, a loira detalhou que o Ministério Público pediu a prisão do companheiro "mediante uma série de provas contundentes".
A Polícia Civil da capital fluminense destacou que a ex-caloura do Raul Gil procurou a delegacia em 22 de junho. Na ocasião, denunciou o companheiro por abusar de seu filho de 5 anos de idade. Avaliações psicológicas e psiquiátricas feitas com o menino constataram que os abusos ocorriam durante o banho da criança.
História comovente
A cantora ficou conhecida por meio do programa de Raul Gil e, pouco tempo depois, se casou e teve um filho. No entanto, antes de dar à luz, teve o intestino rompido e foi hospitalizada com um estado gravíssimo de saúde. Ao todo, foram dez cirurgias, inúmeras transfusões de sangue e duas paradas cardíacas.
Após 52 dias em coma e um quadro de edema generalizado, cinco meses em um hospital sem andar ou falar, a líder religiosa se recuperou, mesmo que lentamente. Depois disso, sua "volta" é considerada por muitos uma ressurreição.
Durante seu tratamento, foi abandonada pelo marido. Contudo, tempos depois, conheceu Felipe e os dois se casaram em uma cerimônia que atraiu muita atenção.

  • Crise financeira coloca cristãos em risco na Venezuela..
  • " Bem vindos ao inferno "; diz faixa de policiais
  • Facebook terá vídeos ao vivo com filtros similares...
  • Venezuela: 87% dizem não ter dinheiro para comprar comida...
  • Refugiados afirmam ter visto Jesus em travessia ...
  • Coca, Ambev e Pepsi fecham acordo: não vender refrigerantes...
  • Menina escreve carta à mãe e denuncia pai por estupro ...
  • Incêndio em pet shop mata animais
  • Número de mortos por H1N1 no Brasil sobe ..
  • A árvore da morte
  • Bebês com três pais podem se tornar realidade...
  • Eduardo Paes minimizou o estado de calamidade pública...
  • Imprensa internacional repercute decreto de calamidade pública...
  • Especialistas questionam decreto de calamidade pública...
  • Governo do RJ decreta estado de calamidade pública...
  • Cobra é encontrada congelada por causa do frio
  • Morre o filho de Eyshila.
  • Nasce bebê de mulher que estava com morte cerebral...
  • Turista é presa e condenada por denunciar estupro ...
  • Terrorista mata um policial e sua esposa em ataque...
  • Supremo vai decidir sobre abertura de inquérito ...
  • Nenhum comentário:

    Postar um comentário