terça-feira, 14 de junho de 2016

Terrorista mata um policial e sua esposa em ataque na França




O agressor foi morto pela tropa de elite francesa. O presidente François Hollande classificou os assassinatos como uma “incontestável ação terrorista”







Um policial e sua mulher foram assassinados nesta segunda-feira (13) à noite perto de Paris, em uma ação terrorista de um homem com vínculos jihadistas, que afirmou pertencer ao grupo Estado Islâmico (EI). O terrorista foi morto pelas forças de segurança. O presidente francês, François Hollande, classificou nesta terça-feira (14) de “incontestável ação terrorista” os assassinatos, que aconteceram dentro da residência das vítimas. “A França enfrenta uma ameaça terrorista de grande importância”, advertiu o presidente.
O ataque aconteceu dois dias depois do massacre de Orlando, nos Estados Unidos, reivindicado pelo EI, que deixou 49 mortos e 53 feridos em uma boate gay, e em plena Eurocopa, que está sendo disputada na França apenas sete meses depois dos atentados de novembro de 2015 em Paris, também cometidos pelo grupo extremista. O criminoso, morto pela tropa de elite da polícia francesa, foi identificado como Larossi Abballa, de 25 anos. Ele havia sido condenado em 2013 a uma pena de três anos por integrar uma rede jihadista.
O grupo, que tinha vínculos na França e Paquistão, facilitava o recrutamento, a formação física e ideológica, assim como o envio ao Paquistão de jovens voluntários para a jihad armada. Fichado por radicalização, Abballa também foi citado em uma investigação recente sobre uma rede extremista síria.
O ataque
Às 22h00 de segunda-feira (17h de Brasília), Abballa agrediu com uma faca um policial de 42 anos que estava em trajes civis em um bairro residencial de Magnanville, pequena cidade que fica a cerca de 60 Km de Paris. Testemunhas afirmaram que ele gritou “Allahu Akbar” (Alá é grande) no momento da agressão. Larossi Abballa se entrincheirou em seguida na residência da vítima, que foi rapidamente cercada pela força de elite da polícia. Após negociações que não deram resultado, os agentes invadiram o local e mataram o criminoso. “Ao entrar, as forças de segurança encontraram o corpo de uma mulher e o agressor foi abatido”, informou a procuradoria francesa.
A mulher, esposa do policial assassinado, trabalhava como secretária na delegacia de Mantes-la-Jolie, município ao oeste da capital francesa. Os agentes resgataram o filho do casal, de três anos, em estado de choque, mas ileso. A criança recebeu atendimento médico e foi encaminhada aos familiares das vítimas.

Fonte: Veja
  • Collor dá lição de moral, critica fisiologismo ...
  • Ataques terroristas matam quase 100 pessoas
  • Prestes a ser afastada, Dilma publica 14 decretos
  • Comissão do Senado aprova relatório pelo impeachment...
  • TRE condena Temer, que está inelegível pelos próximos...
  • Espanha registra 1º caso de microcefalia relacionado...
  • Temer pode ser primeiro presidente 'ficha-suja
  • WhatsApp manda executivos ao Brasil
  • Comissão do Senado tem 'Cunha psicopata' e Dilma ...
  • Primeiro processo por crime de guerra na Síria ...
  • Trump segue invencível
  • Brasileira é suspeita de abandonar criança ...
  • Corpos de alpinistas são achados no Himalaia 16 anos depois...
  • Avanço de supergonorreia que pode se tornar intratável...
  • Prefeito do Rio' em cerimônia da Tocha
  • Juiz que suspendeu WhatsApp vai enfrentar processo...
  • Janot afirma que Cunha era 'um dos líderes' ...
  • Francês processa empresa porque trabalho era entediante...
  • Obama posta foto de 5ª série e homenageia professora...
  • Nenhum comentário:

    Postar um comentário