terça-feira, 30 de junho de 2015

Dilma e Obama fazem acordo para zerar desmatamento




No documento, o Brasil se compromete a atuar para reduzir a zero o desmatamento ilegal durante a próxima década.© Foto: Saul Loeb/AFP No documento, o Brasil se compromete a atuar para reduzir a zero o desmatamento ilegal durante a próxima década.
O presidente americano, Barack Obama, e a brasileira Dilma Rousseff defenderam nesta terça-feira, em Washington, um acordo mundial ambicioso sobre o clima, afirmando sua disposição a privilegiar as energias renováveis.
Em um comunicado comum, os dois líderes ressaltaram que os compromissos dos países sobre suas emissões de gases do efeito estufa deverão ser "regularmente atualizados" nos próximos anos, mantendo em mente o objetivo da comunidade internacional: limitar o aquecimento global a +2°C em relação a era pré-industrial.
Os dois governos estão dispostos a trabalhar lado a lado e com outros sócios para resolver "potenciais obstáculos par um acordo ambicioso e equilibrado em Paris", segundo a declaração. No documento, o Brasil se compromete a atuar para reduzir a zero o desmatamento ilegal durante a próxima década.
O resultado da esperada conferência COP 21 de dezembro, em Paris, "enviará um forte sinal à comunidade internacional de que os governos, empresas e a sociedade civil estão enfrentando com firmeza os desafios da mudança climática".
"O Brasil adotará políticas que se proponham a eliminar o desmatamento ilegal, aliada com ambiciosas melhorias em suas reservas de carbono mediante o reflorestamento e a recomposição das florestas", afirma a Declaração Conjunta sobre Mudança Climática.
Além disso, Brasília se propõe a conseguir que sua matriz energética total "alcance até 2020 uma participação entre 28% e 33% de fontes renováveis sem contar a energia hídrica".
Por seu lado, os Estados Unidos pretendem reduzir suas emissões até 2025 entre 26% e 28% em relação aos níveis registrados em 2005.
A declaração emitida nesta terça destaca que o Brasil já diminuiu 41% de suas emissões em relação às de 2005, "ao mesmo tempo em que os Estados Unidos reduziram suas emissões em cerca de 10% e está a caminho de alcançar usas metas para 2020".
"Esse é um acordo importante", afirmou o conselheiro de Obama para questões climáticas, Brian Deese. "Para os Estados Unidos, vai implicar o triplo da quantidade de energia renovável em nossa rede elétrica".
"Para o Brasil, vai requerer mais que o dobro", acrescentou.
fonte:msn




  • Funcionários de clínica onde corpo de Cristiano Araújo...


  • Vídeo com preparação do corpo de Cristiano Araújo ...


  • Perfumaria francesa promete trazer de volta fragrância de mortos...


  • Nota de US$ 10 terá o rosto de uma mulher


  • Florianópolis é a melhor cidade para se viver diz  pesquisa..


  • Quiabo e feijão nascem em canteiro de obra parada desde a Copa..


  • Suspeito de matar 9 em igreja de comunidade negra ...


  • Menina atingida por pedrada faz exame no IML  ...


  • Ministra pede que franceses parem de comer Nutella...


  • Bradesco fará oferta para comprar HSBC no Brasil


  • Comissão aprova reduzir para 16 anos a idade penal...
  • Nenhum comentário:

    Postar um comentário