segunda-feira, 27 de abril de 2015

Exército brasileiro terá que aceitar candidatos baixos, portadores de HIV e desdentados

Atiradores durante ação de combate à dengue em Avaré (Foto: Reprodução/ TV TEM)Decisão da Justiça proíbe Exército de exigir idade
mínima para soldados (Foto: Reprodução/ TV TEM)







O Tribunal Regional Federal da 1ª Região eliminou restrições e exigências do Exército para o ingresso em suas escolas e na tropa entendidas pelo Judiciário como discriminatórias.

Em uma ação coletiva promovida pelo Ministério Público Federal contra a União, o colegiado derrubou uma norma interna do Exército que, desde 2005, exigia altura mínima e 20 dentes naturais na boca para candidatos, além de impedir o acesso de portadores de doenças autoimunes, imunodepressoras ou sexualmente transmissíveis, como HIV e sífilis. Os exames também não podem ser exigidos para militares na ativa.
A altura mínima exigida era 1,60m, para homens, e 1,55m, para mulheres.
Conforme o desembargador Souza Prudente, relator do caso, a União e o Exército já foram notificados de que a decisão tem eficácia imediata e vale para concursos em andamento. Em caso de descumprimento, o Comandante do Exército terá de pagar multa diária de R$ 5 mil, sem prejuízo de sanções criminais cabíveis.
A decisão, unânime, é da 5ª turma do TRF da 1ª Região e ocorreu em 11 de março, mas só foi divulgada agora. Ainda cabe recurso.  
"Como se trata de uma ação coletiva promovida pelo MPF, é uma sentença mandamental de âmbito nacional. Ela não condena, ela ordena. Ela determina que não se aplique mais a portaria [do Exército}", explica o desembargador Antonio de Souza Prudente.
O Exército é uma instituição respeitada pelos relevantes serviços à Nação, como a guerra contra a dengue. Sua estrutura tem condições de empregar soldados sem discriminação"
Souza Prudente,
desembargador
Exclusão de candidatos
O processo chegou ao TRF após uma apelação do Ministério Público questionando a portaria do Exército que disciplina as exigências de inspeção de saúde para candidatos à matrícula nos estabelecimento de ensino e organizações militares.
Ao analisar a questão, a corte entendeu que "a mera exclusão sumária de candidatos em processos seletivos para os quadros do Exército em razão da limitação de altura, higidez da saúde bucal e de serem portadores de doenças autoimune, imunodepressora ou sexualmente transmissível, constitui conduta discriminatória e irrazoável, incompatível com o ordenamento jurídico vidente".
Para os magistrados, tais enfermidades não conduzem à incapacidade para o trabalho. "O Exército é uma instituição respeitada pelos relevantes serviços à Nação, como a guerra contra a dengue. Sua estrutura tem condições de empregar soldados sem discriminação", defende o desembargador Souza Prudente.
Os critérios de seleção da portaria não podem ser exigidos mais pelo Exército independente do momento do concurso. A Constituição prevê que somente uma lei pode disciplinar critérios de ingresso em cargos e funções públicas e inexiste lei sobre o tema, diz o magistrado.
A decisão vale apenas para o Exército, mas "serve de paradigma e de advertêcia às outras Forças Armadas" [Marinha e Aeronáutica], afirma o desembargador.
fonte:G1 


  • Explosões de três carros-bomba matam 19
  • Oito condenados à morte por tráfico na Indonésia
  • Mais de três toneladas de marfim africano confiscados...
  • Quase 1 milhão de crianças precisam de ajuda no Nepal...
  • Brasileiros começam a deixar o Nepal após terremoto...
  • Cientistas haviam previsto possibilidade de grande terremoto...
  • Executivo da Google morre no Everest após terremoto...
  • Mulher acaba ingerindo lâmina de barbear ao beber água ...
  • Terremoto no Nepal e na Índia deixa mortos
  • Juro do cheque especial chega a 220%  ...
  • Blogueira australiana finge câncer terminal para ganhar dinheiro...
  • Erupção de vulcão chileno gera alerta vermelho
  • Os cinco países com mais vulcões ativos
  • Nenhum comentário:

    Postar um comentário