quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Pirataria pela internet já movimenta R$ 800 milhões no país


 Imagem: Divulgação

A negociação de produtos piratas pela internet aumentou em 30% no país neste ano, com giro anual estimado em R$ 800 milhões, segundo o Fórum Nacional Contra a Pirataria e Ilegalidade (FNCP), que lança nesta quarta-feira (03), Dia Nacional de Combate à Pirataria, o Portal Click Original. O site reunirá informações sobre a prática de pirataria on-line, a fim de antecipar comportamentos criminosos e identificar setores de mercados mais vulneráveis e rotas recorrentes.
Também será criado o Piratômetro Digital, com uma métrica do montante pirateado a cada ano. O Piratômetro Digital começará com 508.428 registros. Os segmentos recorrentes são higiene pessoal (140.491 casos), que inclui perfumaria; licenciamento (101.573), ou uso indevido de marcas; e produtos de moda e acessórios (85.984).
No mundo, a pirataria movimenta US$ 522 bilhões, de acordo com a Interpol (Organização Internacional de Polícia Criminal). No Brasil, um em cada cinco medicamentos vendidos é falso ou contrabandeado, o dobro da média mundial, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).
O Portal Click Original estreia com dados nacionais dos últimos oito meses. Assim, apresentará uma fotografia da atividade, na forma de valor total comercializado, sites campeões em denúncias, produtos mais vendidos, número de vendedores e carga estimada.
“De 2011 para cá, o FNCP e os próprios associados do fórum começaram a observar uma migração para a internet. E hoje não se sabe dizer a dimensão exata disso. Estamos trabalhando em escala e analisaremos os dados compilados. Há um trabalho de tecnologia e de inteligência”, explica Maurício Garcia, gestor do Portal Click Original.
Qualquer pessoa pode denunciar, de forma anônima, ofertas, sites, redes sociais e iniciativas on-line que vendam produtos falsificados. Na primeira fase do Portal Click Original, empresas poderão criar cadastros, obter números detalhados sobre a falsificação de suas marcas e pedir remoções de páginas na internet nas quais a atividade se desenvolve. Cada empresa só terá acesso aos seus números, para evitar análise da concorrência.
Os gestores do Click Original preveem que, futuramente, o governo terá um papel mais ativo na iniciativa, que, com a contribuição das empresas, poderá fornecer insumos para melhorar a fiscalização e o desbaratamento de quadrilhas.
Até agora, o que se sabe sobre as estatísticas da pirataria on-line é fruto de pesquisas encomendas por empresas. Como a internet é um território anônimo por natureza e difícil de rastrear, um monitoramento mais amplo permite resultados mais fiéis e identifica fugas de criminosos de uma região do Brasil para outra ou de um site para outro.
As estimativas da FNCP acerca da pirataria on-line levaram em consideração uma estimativa de que a pirataria física e virtual movimenta R$ 42,7 bilhões por ano. Neste panorama, as vendas virtuais representam 1,9% do total.
 Fonte: O Globo


  • Entra em vigor a Lei Anticorrupção no Brasil
  • Zagueiro Lúcio afirma sofrer preconceito por ser evangélico...
  • Mais de 60 cristãos foram assassinados
  • Ex-diretor de presídio usa cartão de crédito de preso...
  • Cabral dá 50% de desconto no IPVA para empresas ...
  • ‘A mão de Deus nos salvou’, diz avó de criança ..
  • Conselho tribal condena mulher a estupro coletivo ...
  • Político chinês é condenado à morte por aceitar suborno...
  • Pastor causa polêmica ao agredir cachorro
  • Pastor preso por falsificação de dinheiro  ...
  • Padre Fábio de Melo fala sobre casamento gay
  • homem vira pastor e grava DVD gospel na cadeia
  • Garis ajudam casal a recupera R$ 8 mil que foram perdido..
  • Mulher usa henna, tem forte alergia e tem de amputar...
  • Desligamento de aparelhos de garota com morte cerebral ...
  • Nenhum comentário:

    Postar um comentário