segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Família volta a pedir liberdade de americano preso na Coreia do Norte

O guia turístico e missionário Kenneth Bae, preso na Coreia do Norte, em foto de 1 de setembro (Foto: AP Photo/Wong Maye-E)
A família do americano Kenneth Bae, preso na Coreia do Norte, confessou nesta segunda-feira (3) sua "angústia e ansiedade atroz" e voltou a pedir sua libertação ao governo norte-coreano.
Em um comunicado, a família relatou sua tristeza pela doença de Baer, de 42 anos, cuja saúde se deteriorou atrás das grades. Ele foi sentenciado a 15 anos de trabalhos forçados, após ser preso em novembro de 2012.
"É um aniversário que nossa família não gostaria de ter de celebrar", afirma a nota, referindo-se aos dois anos de detenção no país asiático completados agora.
"Nunca imaginamos a dor que isso causaria a Kenneth e à família", acrescentou o texto.
"Enquanto Kenneth permanece preso na Coreia do Norte, nossas vidas também estão cativas, cheias de uma angústia e de uma ansiedade atroz", desabafaram.
Bae foi acusado de ser um fiel cristão tentando pregar sua religião para derrubar o regime na Coreia do Norte.
"Mais uma vez, imploramos, por piedade, às autoridades da Coreia do Norte. Por favor, libertem Kenneth por razões humanitárias. Também pedimos ao Departamento de Estado (americano) que não se esqueça de Kenneth e que faça todo o possível para libertá-lo", completa o texto.
No mês passado, o americano Jeffrey Fowle foi libertado, de forma inesperada, na Coreia do Norte, por decisão do líder de Pyongyang.
Um terceiro americano, Matthew Miller, de 24 anos, foi sentenciado a seis anos de trabalhos forçados. Miller foi detido em abril por rasgar seu visto de imigração e exigir asilo. Ele foi acusado de cometer "atos hostis" contra o regime na condição de turista.
Washington condenou Pyongyang por essas detenções, alegando que esses cidadãos são reféns políticos em busca de concessões diplomáticas.
fonte :G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário