segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Brasil é advertido por não se empenhar no combate ao terrorismo



BRASÍLIA - O Brasil recebeu uma advertência por não se empenhar no combate ao financiamento de organizações terroristas. Em tom diplomático, o Grupo de Ação Financeira contra a Lavagem de Dinheiro e o Financiamento do Terrorismo (Gafi) enviou carta em setembro ao ministro da Fazenda, Guido Mantega, para comunicar que o país foi enquadrado na categoria mais leve de nação que não trabalha contra o terrorismo. Fontes ouvidas pelo GLOBO confirmam que a decisão de fazer uma "censura velada" ao Brasil foi tomada no congresso mundial do Gafi, realizado em junho, em Paris.

Essa lista de países é mantida sob sigilo e serve como pressão para que os governantes adotem medidas como, por exemplo, uma legislação de tipificação do crime de financiamento de terrorismo. O Gafi é uma organização intergovernamental que tem a missão de desenvolver e promover políticas nacionais e internacionais de combate à lavagem de dinheiro e ao abastecimento financeiro de grupos terroristas. Ele foi criado em 1989 e desde então estimula os países a fazer reformas legislativas e regulatórias nessas áreas.

— Na carta, eles reconheceram avanços na questão da lavagem de dinheiro, mas apontaram problemas na tipificação do financiamento ao terrorismo — disse um integrante do governo brasileiro.

A bronca internacional já era esperada internamente por membros do governo. Isso porque o Gafi chegou a alertar no início deste ano que o Brasil precisava de uma lei específica sobre financiamento de terrorismo. No entanto, nem mesmo o crime de terrorismo ainda é tipificado no Brasil.

Dado o teor das críticas do organismo internacional, feitas informalmente no início do ano, um conjunto de órgãos que tratam do tema, como o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e o Banco Central, enviou à Casa Civil um documento para explicar toda a situação e alertar o Palácio do Planalto sobre o risco para a imagem do país com um rebaixamento.

Ficar na lista negra do Gafi significa, em última instância, ser convidado a se retirar do grupo e sofrer sanções comerciais. O país está longe disso, mas já recebeu o primeiro alerta. Mesmo depois do alerta, o governo não vê necessidade de mudanças na lei.

“O entendimento do governo é de que o Brasil já dispõe de instrumentos legais que permitem a repressão a condutas ligadas a atos terroristas e, também, aqueles relativos ao financiamento ao terrorismo e a atos dele decorrentes”, disse a assessoria da Casa Civil em nota.

— O pessoal suspirou aliviado porque essa punição que o Brasil recebeu é encaminhada só para o governo e ninguém fica sabendo — comentou outro técnico a par do assunto. — O Brasil conseguiu enrolar sistematicamente as punições que já devia ter recebido há muito tempo. Agora, não deu mais.

Na internet, o Coaf divulgou o resultado do congresso do Gafi. Frisou que o financiamento do terrorismo continua sendo uma “séria preocupação para a comunidade internacional e permanece como um dos principais focos dos padrões” do grupo. O conselho ainda publicou a lista de países mais problemáticos em relação à lavagem de dinheiro e terrorismo. No topo da relação, está o Irã.

Segundo o Coaf, o Gafi continua particular e excepcionalmente preocupado com o fracasso do Irã em solucionar o risco de financiamento do terrorismo e a séria ameaça que isto representa para a integridade do sistema financeiro internacional, apesar do envolvimento prévio do Irã com o grupo, e do recente envio de informações.

De acordo com fontes do próprio governo, há uma problema político para o Brasil não criar uma legislação para tipificar o terrorismo e uma outra para instituir o crime de financiamento de atos terroristas. Elas alegam que o passado da presidente é o entrave.

— Qual era a profissão da nossa presidente com 18, 20 anos?— questiona um técnico ao justificar que uma legislação que tipificasse atos terroristas colocaria a presidente Dilma Rousseff numa saia justa internacional pela atuação que teve na guerrilha urbana contra a ditadura militar brasileira. — Não tipificar terrorismo é uma questão ideológica por causa das pessoas envolvidas.

Periodicamente, o Gafi avalia os países membros em relação à implementação de medidas de prevenção e combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento do terrorismo. Deve acompanhar o Brasil mais de perto daqui para a frente.

fonte:msn



Estudo diz que grande erupção vulcânica poderá destruir o Japão...
Polícia indicia missionário por morte de jovem afogado...
Nasa publica imagem que mostra efeito da seca no Sistema Cantareira..
Traficante da Colômbia preso em RR é suspeito de 250 homicídio...
Ebola chega a Nova Iorque
Pano é esquecido dentro da barriga de paciente
Indiano comemora gol com salto que o leva a morte
Miss Universo 65 gasta US$ 2 milhões em plástica ..
Viver com fumante equivaleria a morar em cidade poluída.
Vacinas experimentais contra o ebola podem ser testadas...
Armas dos EUA caem nas mãos de terroristas do Estado Islâmicos...
jihadistas apedrejam mulher acusada de adultério ...
Anvisa proíbe venda de lote de açúcar com excremento ...
Time de futebol contrata pastor para evitar rebaixamento..
Aumento da contaminação por ebola pode encarecer chocolate...
Vereadores de Franca oram pedindo chuvas para São Paulo...
Seita ensina que Jesus reencarnou em uma mulher chinesa..
OMS declara Nigéria livre do ebola
Suspeito de matar 39 pessoas frequentava igreja ...
Engenheiro planeja popularizar máquina que produz água...
Britânica fica em choque ao 'receber SMS' de avó morta..
Clarão no céu chama atenção de moradores ...
Fogo já destruiu 2.830 hectares em Petrópolis, RJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário