quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Coreia do Norte admite ter campos de concentração para ‘reformar’ cidadãos

Oficial do Ministério do Exterior nega que governo tenha campos de prisioneiros, mas ‘centros de trabalho’
Oficial do Ministério do Exterior nega que governo tenha campos de prisioneiros, mas ‘centros de trabalho’
A Coreia do Norte admitiu publicamente pela primeira vez a existência de campos de concentração para controlar e “reformar” cidadãos com linhas que diferem do regime de Kim Jong-un. Um oficial do Ministério do Exterior e representante de Pyongyang na ONU negou diante de jornalistas que o governo tenha campos de prisioneiros, mas centros “de trabalho para reformar” os detidos.
De acordo o oficial, esses locais de detenção são onde as pessoas “verificam a sua ideologia e refletem sobre seus atos imorais.” Até agora, essa foi a única resposta ao relatório elaborado há meses pela ONU com denúncias de execuções, desaparecimentos e tortura no país. O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidos constatou violações “sérias, generalizadas e sistemáticas” na Coreia do Norte e documentou a crueldade a que foram submetidos mais de 24 milhões de pessoas.
 Para especialistas da ONU, o reconhecimento desses campos de concentração por parte do governo norte-coreano é um avanço na luta para acabar com a repressão do regime. Imagens capturadas por imagens de satélite confirmam a existência de grandes extensões de terra, conhecidas como “Zonas de Controle”, onde milhares de pessoas estariam presas por motivos políticos ou ideológicos. A maioria dos que entram, nunca conseguem sair,
Os campos de concentração na Coreia do Norte são um dos maiores mistérios do sistema repressivo da Coreia do Norte. Eles teriam sido criados nos anos 60 por Kim Il-sung, fundador da nação, expandido por seu filho Kim Jong-il e mantido por seu neto e atual líder, Kim Jong-un. No total, há 16 campos, seis deles dedicados exclusivamente a presos políticos. Especialistas estimam que há de 120 mil a 200 mil pessoas nesses locais.
Apesar da forte segurança, alguns prisioneiros arriscam suas vidas para escapar dos campos e, através de seus depoimentos, é possível conhecer algumas das atrocidades que lá ocorrem: todos os tipos de tortura física e psicológica, testes de armas químicas nos internos e trabalho forçado.
 Fonte: O Globo
  • Deus não é suficiente para explicar a criação do universo...
  • Al Qaeda ameaça países da coalizão com ataques ...
  • Raio cai em fazenda e mata 60 cabeças de gado
  • Igreja Universal cria disque-descarrego
  • População de Israel atinge “marca profética”
  • Dízimos e ofertas movimentam R$ 27 milhões ...
  • Casal cria site de swing voltado para cristãos
  • Missa negra atrais mais cristãos que satanistas
  • Nepal: cantora pagã se converter ao cristianismo ...
  • Cristãos lutam contra o crescimento do Boko Haram
  • Prática de automutilação entre adolescentes ...
  •  Reino Unido se prepara para atacar Estado Islâmico...
  • Bebê chora e é encontrado ao lado do corpo da mãe ...
  • Rio de Janeiro é a 11ª cidade mais cara do mundo ...
  • Brasil não assina declaração para zerar desmatamento...
  • Nenhum comentário:

    Postar um comentário