terça-feira, 28 de outubro de 2014

Após denúncia pelo Twitter, criminosos usam perfil da vítima para anunciar seu sequestro e morte

Uma das únicas formas de compartilhar informação local é por meio de redes sociais como Facebook e Twitter, conforme fazem alguns moradores.
Foi assim que Rubio ajudou a tornar influente um site de notícias que possui mais de 510 mil seguidores. O "Valor por Tamaulipas" publicava fotos de criminosos, compartilhava busca por pessoas desaparecidas e informava sobre crimes na região.

Para ter um mínimo de segurança, a jornalista usava o pseudônimo de Felina e no Twitter tinha como usuária o nome de @Miut3. Seus posts encorajavam moradores a denunciar organizações criminosas.
SITE COMANDADO PELO VÍTIMA FEZ HOMENAGEM APÓS SUA MORTE (Foto: FACEBOOK)
Um grupo de criminosos do México sequestrou e matou uma jornalista que era conhecida por denunciar, no Twitter, as atrocidades cometidas pelo cartel no país. A morte da vítima foi anunciada em seu próprio perfil após ser hackeado. Fotos do corpo de María del Rosario Fuentes Rubio foram compartilhadas na rede social momentos depois de ser brutalmente assassinada.
A mexicana usava um pseudônimo para denunciar o crime organizado no estado de Tamaulipas, onde acontecem extorsões, troca de tiros, sequestros e execuções. Os crimes não costumam ser noticiados pela imprensa do país por conta da intimidação de outros grupos semelhantes, informou o jornal britânico "The Mirror".
As ameaças, de acordo com o "The Mirror", teriam começado neste mês, mas Rubio permaneceu com seu trabalho até no dia 16, quando a conta foi invadida pelo cartel após seu sequestro.
A mensagem compartilhada pelos criminosos na rede depois do assassinato dizia o seguinte: "amigos e familiares, meu nome verdadeiro é Maria Del Rosario Fuentes Rubio. Sou médica e hoje minha vida chegou ao fim".
Em seguida, fotos de seu corpo foram exibidas para os seguidores da mexicana com a mensagem: "cancelem suas contas, não coloquem em risco a vida de seus familiares como eu fiz. Peçam perdão".
O México é um país considerado perigoso para o trabalho de jornalistas. Outros sete profissionais da imprensa foram mortos nos últimos dois anos, de acordo com a organização Repórteres Sem Fronteiras.
"A Repórteres Sem Fronteiras está chocada com a morte de María del Rosario Fuentes Rubio e pede ao governo que faça uma investigação exaustiva para identificar os responsáveis o mais rápido possível", pediu a diretora da instituição Virginie Dangles.

fonte; Marie Claire


  • Estudo diz que grande erupção vulcânica poderá destruir o Japão...
  • Polícia indicia missionário por morte de jovem afogado...
  • Nasa publica imagem que mostra efeito da seca no Sistema Cantareira..
  • Traficante da Colômbia preso em RR é suspeito de 250 homicídio...
  • Ebola chega a Nova Iorque
  • Pano é esquecido dentro da barriga de paciente
  • Indiano comemora gol com salto que o leva a morte
  • Miss Universo 65 gasta US$ 2 milhões em plástica ..
  • Viver com fumante equivaleria a morar em cidade poluída.
  • Vacinas experimentais contra o ebola podem ser testadas...
  • Armas dos EUA caem nas mãos de terroristas do Estado Islâmicos...
  • jihadistas apedrejam mulher acusada de adultério ...
  • Anvisa proíbe venda de lote de açúcar com excremento ...
  • Time de futebol contrata pastor para evitar rebaixamento..
  • Aumento da contaminação por ebola pode encarecer chocolate...
  • Vereadores de Franca oram pedindo chuvas para São Paulo...
  • Seita ensina que Jesus reencarnou em uma mulher chinesa..
  • OMS declara Nigéria livre do ebola
  • Suspeito de matar 39 pessoas frequentava igreja ...
  • Engenheiro planeja popularizar máquina que produz água...
  • Britânica fica em choque ao 'receber SMS' de avó morta..
  • Clarão no céu chama atenção de moradores ...
  • Fogo já destruiu 2.830 hectares em Petrópolis, RJ
  • Nenhum comentário:

    Postar um comentário