segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Igreja Universal cria disque-descarrego

Depois de criar o drive-thru da oração, a Igreja Universal do Reino de Deus abriu um serviço de atendimento via telefone onde é possível até passar por um processo de libertação espiritual, mas chamado pela denominação de “sessão de descarrego”.
O repórter Daniel Pereira, do jornal “O Dia”, entrou em contato com o disque-descarrego e recebeu uma oração de um homem identificado como pastor Vitor que trabalha na central telefônica da Catedral Mundial da Fé, em Del Castilho (RJ).
O pastor orienta o repórter a ir para o banheiro para não assustar os demais funcionários. “Seu chefe está aí? Vai para o banheiro que é melhor. As pessoas podem achar que você está passando mal e vão chamar médico. O Senhor Jesus vai ficar no comando de tudo”, diz o religioso.
A Igreja Universal se manifestou dizendo que equipes de pastores se revezam para atender os necessitados que entram em contato pedindo ajuda espiritual. “Nosso trabalho consiste em ajudar aos sofridos e levá-los a se libertar de toda sorte de problemas e escravidão espiritual”, afirma.
O atendimento por telefone para questões espirituais é polêmico, mas não é usado apenas pela Igreja Universal. A publicação carioca afirma que é possível encontrar até serviços de “Macumba Online” oferecidos por membros de religiões como a umbanda e candomblé.
O “O Dia” afirma que o site Macumba Online já realizou 1.835 trabalhos para “despiranhar” (termo não explicado no site) e 2.392 para “empiranhar”. O trabalho mais pedido pelos internautas é o de amarração do amor feito para quase 53 mil pessoas.
O pastor José Paulo Moura Antunes, da Igreja Batista do Recreio dos Bandeirantes, que é pós-graduado em Teologia, critica esse tipo de ação e diz o serviço de exorcismo deve ser feito pessoalmente.
“A gente pode usar o telefone e a internet para dar uma palavra de conforto, para fazer oração, para aconselhar… mas fazer exorcismo desta maneira é muito perigoso”, disse ele. “E também nem sempre as questões são espirituais. Tem gente com problemas psicológicos, por exemplo. Não dá para saber a reação da pessoa”, conclui.
O Mago do centro místico Casa do Mago, em Humaitá, também critica esse tipo de atitude, quer seja dos pastores ou dos “macumbeiros” e diz que esse tipo de trabalho é enganação. “A única forma de consultar as entidades é pessoalmente. Quem falar que faz isso de outra forma está te enganando”, informou. O Mago, líder religioso do lugar, criticou o atendimento a distância. “Isso é brincar com a fé das pessoas. Este negócio de ‘sai capeta’ e ‘vem capeta’ por telefone é mentira. Tudo enganação”.
fonte:Gospelprime

Nenhum comentário:

Postar um comentário