quarta-feira, 4 de junho de 2014

Onda de roubos de cabelos causa medo

Jovem teve cabelo cortado por assaltantes (Foto: Arquivo pessoal)
A jovem de 20 anos que teve os cabelos cortados e roubados na noite de domingo (1º) em um assalto na Zona Norte de Porto Alegre diz que ainda não acredita no que aconteceu. A vítima, que prefere não ser identificada, afirma que tem medo de novos ataques e não consegue se acostumar com a mudança no visual, como mostra a reportagem do Jornal do Almoço, da RBS TV (veja o vídeo acima).
"A gente cuida, a gente hidrata, demora anos para o cabelo crescer do jeito que a gente quer. E eu cuidava. Meu Deus, meus cabelos eram tudo. Levaram o que eu tinha de mais bonito em mim", afirma ela, que diz quase não se reconhecer mais. "Acordei de manhã, me olhei no espelho e pensei: 'cadê o meu cabelo? Não sou eu', acrescenta.
Jovem diz que nunca usou cabelo curto antes (Foto: Arquivo pessoal)Jovem diz que nunca usou cabelo curto antes
(Foto: Arquivo pessoal)
A recepcionista foi assaltada na esquina das avenidas Grécia e João Wallig por volta das 19h de domingo. A jovem caminhava pela rua quando os dois homens em uma moto a pararam e anunciaram o assalto, ameaçando-a com um revólver. Sem dinheiro no momento do ataque, entregou os tênis. "Aí ele me falou para virar de costas. Eu estava com capuz na cabeça, ele puxou o capuz e pegou uma tesoura. Achei que ele ia me apunhalar pelas costas, mas não. Para minha surpresa, ele pegou o meu cabelo. Fez como se fosse um rabo de cavalo e começou a cortar", revela.
Tudo aconteceu a poucas quadras do apartamento onde a jovem mora. "Para mim, ladrão roubava celular, relógio", completa a vítima.
Após o susto, a recepcionista está com medo da ação de criminosos. Na noite do assalto, ela havia saído de casa para ir até uma loja de conveniência em um posto de combustíveis comprar cigarro. O irmão mais velho, que foi socorrê-la na delegacia, acreditou primeiro que havia sido uma punição, já que ela não carregava dinheiro nem celular. Entretanto, depois do crime, se deu conta que o cabelo loiro, sem química e comprido pode ser bem caro.
"É o cúmulo, um absurdo. Não dá para aceitar um tipo de crime assim. Daqui a pouco, as mulheres não vão poder andar com cabelo comprido na rua", afirma o irmão, revoltado com a situação.
A jovem diz que está traumatizada. "Vou ficar com muito medo, muito medo de sair na rua agora. Voltar do trabalho de noite a pé, nem pensar", diz.
O crime surpreendeu também a polícia. O delegado Alexandre Vieira, da 9ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, afirma que o alto valor pago pelos cabelos pode ser um novo atrativo para os bandidos.
"Primeira vez que eu vejo em algumas décadas de polícia um fato desse. Dois sujeitos que vinham com uma tesoura no bolso para furtar, roubar uma pessoa na rua", afirma Vieira. De acordo com ele, um cabelo pode ser vendido por até R$ 2 mil.
A polícia apura a origem da moto utilizada para praticar o assalto. É uma moto com as mesmas características de uma roubada minutos antes na Cristóvão Colombo. Estamos vendo se há imagens no local que possam identificá-los," explica o delegado. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário