segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Pastor se arrepende de pagar dízimo e tenta reaver dinheiro na Justiça

Ele havia contribuído entre maio de 2004 e janeiro de 2005.
Desembargador diz que descontos não foram impostos.


Um pastor aposentado de Itajaí, no Vale, se arrependeu de pagar o dízimo e tentou reaver o dinheiro na Justiça. Segundo o Tribunal de Justiça, ele teve descontados valores entre maio de 2004 e janeiro de 2005.
Para o desembargador Sérgio Izidoro Heil, relator do recurso, ficou claro que, como o autor não havia reclamado dos descontos até a propositura da ação, a parte legítima não pode ser chamada ao dever, por não fazer parte do processo.
O magistrado lembrou ainda que, assim como foi dito na sentença, o pastor pagava o dízimo como forma de “moralizar” a cobrança que fazia aos fiéis e por isso não pode, neste momento, alegar que os descontos no rendimento haviam sido impostos.
“De duas, uma: ou estava ele, quando em atividade, ludibriando os fiéis, ao afirmar ser o dízimo uma obrigação, ou está agora tentando utilizar-se de torpeza para reaver quantia que espontaneamente doou para a Igreja”, afirmou o desembargador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário