quarta-feira, 21 de agosto de 2013

“Um segundo pode acabar com a nossa vida”:diz jovem cristã

Centenas de milhares de cristãos ainda estão vivendo em uma Síria devastada pela guerra. Alguns querem deixar o país, mas não podem por causa da família ou por falta de dinheiro. Outros ficam por escolha, porque acreditam que deveriam estar lá, bem no meio desta crise, para servir a Deus. Eles são super heróis? Eles são sempre fortes? Claro que não, cristãos sírios são pessoas como você e os membros de sua igreja. Nadia* é a prova disso.

Com lágrimas nos olhos e emoção em sua voz, Nadia diz: “Sabe, não há esperança, onde está Deus nisso tudo? Eu quero ir embora, mas não posso. Eu tenho de ficar por causa dos meus pais; eles dizem que não podem deixar o país. Nós vivemos em um bairro relativamente seguro, mas eu tenho medo. Eu não sei o que acontecerá amanhã. Em um segundo nossa vida pode acabar. Constantemente ouvimos tiros e bombardeios. É comum ver pessoas mortas na rua e passar por elas, como se nada tivesse acontecido. Um amigo meu foi, recentemente, baleado por nada”.

Nadia é professora e congrega em uma igreja na velha cidade de Damasco. Ela participou do treinamento para jovens líderes da Síria, organizado pela Portas Abertas em parceria com a Mocidade para Cristo.

Ela conta que, certa vez, esteve envolvida em uma discussão durante o almoço. Dois outros jovens trabalhadores da mesma cidade dizem que eles certamente ficarão na Síria. “Nós amamos a Síria, como cristãos devemos reconstruir o nosso país. Há esperança! Nós, como cristãos, devemos mostrar que há esperança para o futuro da Síria” Nadia respondeu a eles: “Não, eu não tenho esperança e nem tenho escolha, eu tenho de ficar por minha família. Eu estou com muito medo de perdê-los por causa de tudo o que está acontecendo. Acho que tenho o direito de ter medo”.

Um colaborador da Portas Abertas conversou com ela procurando incentivá-la dizendo que pessoas de diferentes nações estão orando pela Síria. Ele relatou sobre os cristãos de muitas igrejas ao redor do mundo que têm se mobilizado para apoiar o trabalho de socorro aos cristãos sírios. “Sim, é bom saber que as pessoas estão envolvidas conosco”, ela respondeu: “que eles não se esqueçam de nós. Precisamos de pessoas que queiram investir em nosso futuro”.

*Nadia é um pseudônimo. Por razões de segurança, seu nome verdadeiro não pode ser divulgado.

Você pode investir no futuro da Igreja síria
Ao assinar a petição de apoio à permanência da Igreja na Síria e/ou contribuindo com os projetos de ajuda da Portas Abertas aos cristãos sírios, você incentiva pessoas como Nádia a terem esperança no Senhor e na vontade dele para a Síria. 

Fonte: Portas Abertas Internacional



Nenhum comentário:

Postar um comentário