quarta-feira, 26 de junho de 2013

Deus não se importa se você fuma maconha: diz Pastor americano

 Pastores norte-americanos fazem seminário sobre descriminalização das drogas
 Uma rede de pastores nos Estados Unidos se reuniu para se manifestar contra a chamada “guerra às drogas” e o efeito devastador dessa guerra atingindo principalmente a comunidade negra.
Na conferência chamada “Uma visão a partir do púlpito: líderes religiosos e a descriminalização das drogas”, realizado na American Baptist College, em Nashville, líderes religiosos focaram seus discursos na questão da injustiça moral das leis antidrogas, e não apenas na moralidade das drogas em si.
Em nota divulgada à imprensa antes da conferência, os participantes em potencial foram alertados de que os afro-americanos representam apenas 13% da população dos EUA e são também apenas 13% dos usuários de drogas no país. Entretanto, os negros compõem 38% dos detidos por violações da lei de drogas e 59% dos condenados por violações às leis antidrogas americanas são afro-americanos.
Rev. John Jackson
Rev. John Jackson
O reverendo John Jackson, da Trinity United Church of Christ, em Gary, Indiana, falou para as câmeras  acerca de suas crenças sobre Deus e maconha:
“Recebo várias pessoas que vêm se aconselhar comigo e dizem: ‘Reverendo, fumo maconha e sei que não devia fazer isso’. Eu as interrompo na mesma hora e digo: ‘Não acredito que o Deus a quem servimos é tão pequeno ou miserável para se preocupar com você fumando maconha. Não penso que Deus se preocupe com isso’. Eu quero que as pessoas saibam que o nosso Deus é grande demais para se preocupar com alguém fumando um baseado.”
Esse grupo de pastores negros tem um companheiro inusitado em sua militância, o televangelista Pat Robertson, que ano passado sinalizou para seu público, em grande parte conservador, que ele também seria favorável à descriminalização das drogas:
“É chocante como muitos desses jovens acabam na prisão e se transformam em criminosos de alta periculosidade porque estavam de posse de pequenas quantidades de substância controlada [em alguns estados americanos, o uso da maconha é liberado para tratamento médico]. A coisa toda é uma loucura.”
A conferência foi patrocinada pela “The Samuel Dewitt Proctor Conference”, pelo “American Baptist College” e pelo “Drug Policy Center”.
tradução: Tom Fernandes
Publicado originalmente no Huffington Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário